Por que gostamos de músicas tristes? A Ciência explica


Publicidade

Pesquisadores da Universidade de Durham, no Reino Unido afirmaram ter descoberto o motivo pelo qual apreciamos músicas tristes.


 “O estudo confirma aos terapeutas a possibilidade de trabalhar a música triste com experiências” – Reprodução
“O estudo confirma aos terapeutas a possibilidade de trabalhar a música triste com experiências” – Reprodução
O estudo, segundo eles, tem implicações na forma como musicoterapia e reabilitação podem ajudar a melhorar o humor das pessoas, conforme reportado pela Science Daily. Para isso, os cientistas analisaram experiências emocionais associadas a esse tipo de música em cerca de 2.436 pessoas no Reino Unido e Finlândia. Eles identificaram três motivos associados a esse hábito: prazer, conforto e dor.

Em um artigo publicado na revista PLOS ONE, eles disseram que a maioria dos entrevistados destaca a natureza agradável de tais experiências, que, para quase todos, ainda proporciona uma nítida melhora de humor. O sentimento mais reportado foi o de prazer, associado à apreciação da música, além da sensação de conforto, porque evocava memórias passadas. No entanto, uma parcela significativa dessas pessoas também relatou experiências dolorosas, que invariavelmente estavam relacionadas à perda pessoal, como a morte de um ente querido, divórcio ou outra adversidade significativa na vida.

Segundo o pesquisador chefe Tuomas Eerola, professor de cognição musical no Departamento de Música da Universidade de Durham, pesquisas anteriores já haviam enfatizado um intrigante prazer associado às artes trágicas. No entanto, ele afirmou que há pessoas que odeiam esse tipo de música e evitam ouvi-lo. 

“Em nossa pesquisa, quisemos investigar esse amplo espectro de experiências envolvendo a música triste, e encontramos razões para ouvi-la tanto quanto para evitá-la”, disse. 

Os resultados, segundo ele, ajudam a identificar as formas como as pessoas regulam o bom humor apenas com a ajuda da música, bem como sua forma de terapia. Além disso, segundo Eerola, “trazem implicações para a compreensão da natureza paradoxal da apreciação de emoções negativas dentro das artes e ficção”.

Os pesquisadores acrescentaram que a ideia de conforto não foi afetada por fatores como sexo e idade, embora a perícia e interesse musical pareceram amplificar esses sentimentos. Assim, as pessoas mais velhas relataram experiências mais fortes associadas ao reconforto, quando que os sentimentos mais negativos foram associados às pessoas mais jovens e mulheres. Segundo ele, isso aconteceu porque a música triste estava conectada a um perfil distinto de razões, como mecanismos psicológicos e reações.

Comentando sobre os resultados, o professor de Música, Saúde e Cérebro, Jörg Fachner, da Universidade de Anglia Ruskin, que não fez parte da pesquisa, “o estudo confirma aos terapeutas a possibilidade de trabalhar a música triste com experiências autênticas e dolorosas, como a morte de um cônjuge ou filho, por exemplo. Um terapeuta treinado pode ajudar uma pessoa a adaptar o significado individual da música com experiências e memórias negativas”, disse.


Recomendamos para você »

Outras 7361536031241527389
Reaja! Comente!

Postar um comentário

emo-but-icon

Curta nossa Página

Publicidade

Recicla Net Pousada Vitor & Vitoria WhatsApp do S1 Notícias

Canal S1 Gamer

Mais Lidas

Receba noticias em seu E-mail

Publicidade

item