Homem estupra 13 mulheres em Pernambuco através do OLX Após atraí-las através do site de classificados OLX, oferecendo serviços, como babás e garçonete.

Alexandre Silva, de 31 anos, confessou que atraia as vítimas através do OLX – Foto: Reprodução

Alexandre Silva, de 31 anos, confessou que atraia as vítimas através do OLX – Foto: Reprodução

Um homem de 31 anos foi preso em Olinda nesta quinta-feira (1º) por estuprar mulheres que atraía por meio do site de classificados OLX. Sete vítimas prestaram queixa na Polícia Civil, que divulgou que Alexandre Silva de Souza confessou, em interrogatório, ter praticado 13 estupros desde que foi liberado pelo regime semiaberto, em março de 2017, e não voltou ao presídio.

Com a divulgação das imagens do homem preso, a polícia acredita que mais vítimas podem sentir-se estimuladas a denunciarem ter sido agredidas por ele. Segundo o delegado Eronides Meneses, titular da Delegacia de Peixinhos, Alexandre estava foragido pelo crime de estupro e entrava em contato, pelo site, com mulheres a partir de 21 anos. As vítimas ofereciam serviços na internet, como babás e garçonetes.

Ele foi preso a partir de uma denúncia anônima, a divulgação do retrato falado produzido pela polícia com informações das vítimas. Além disso, o número de telefone utilizado por Alexandre para se comunicar com as vítimas ajudou em seu rastreamento.

“Ele marcava sempre próximo à casa dele. Ia sempre bem vestido e, por vezes, contratava um transporte particular, dizendo que era motorista dele. Descia próximo a um matagal, onde ele praticava os estupros”, explicou o delegado.

Ainda segundo a polícia, após encontrar-se com as vítimas, Alexandre as agredia, estuprava e roubava celular, dinheiro e pertences das mulheres. No dia anterior à prisão, o homem estava se comunicando com mais uma mulher, que poderia ser uma nova vítima. “Ele tinha esposa e dois filhos, que não tinham a mínima ideia de que ele fazia isso. A mulher está em estado de choque”, diz o delegado.

Alexandre vai responder pelos crimes de estupro, roubo e pela evasão do sistema prisional. Somadas, as penas podem chegar a 38 anos de reclusão. Outras vítimas podem denunciar o agressor procurando a Polícia Civil, por meio das delegacias regionais ou departamentos da mulher.

Resposta

Em nota, a assessoria de imprensa do OLX afirma que a empresa “repudia e lamenta profundamente esse fato”. O texto destaca que “ferramentas que são criadas para auxiliar no desenvolvimento social do país se tornam, eventualmente, um local para ações realizadas por terceiros de má índole, como no caso relatado” e que a atitude vai contra todos os valores que a OLX acredita e defende.

A empresa também informou que se solidariza com as vítimas e que está colaborando com as autoridades nas investigações.