Choveu um pouco mais no Nordeste em 2018, depois de anos de seca. Mas em muitas regiões, como Pernambuco e Rio Grande do Norte, tem pouca água nos reservatórios.

No sertão de Pernambuco, o período chuvoso acabou no mês de abril. E de acordo com dados do Instituto Agronômico do estado, a precipitação média foi abaixo do esperado. Por causa disso, teve agricultor que perdeu tudo o que plantou.

“Eu esperava tirar uns 40 sacos. O ano passado eu tirei 40 e poucos sacos e este ano não dá dez”, conta o produtor Anacleto de Souza Moreno.

Previsão é de chuva abaixo da média para a região em novembro, dezembro e janeiro – Foto/Reprodução

Previsão é de chuva abaixo da média para a região em novembro, dezembro e janeiro – Foto/Reprodução

A falta de chuvas tem se refletido nos mananciais. A barragem de Jucazinho, na região Agreste, está com apenas 5% da capacidade.

“Como a chuva é mal distribuída, alguns agricultores plantaram em fevereiro e colheram um pouco. Mas quem plantou em abril, foi perda total”, diz o agrônomo Fábio Cesar.

Na zona rural de Caruaru, a 132 quilômetros do Recife, a vegetação está seca. Na propriedade de Luiz Tiburcio, por exemplo, os animais são alimentados com o que sobrou da silagem de milho que foi armazenada.

A previsão é de que os meses de novembro e dezembro de 2018, além de janeiro de 2019, sejam de pouca chuva no estado. No Agreste, só deve chover de forma mais significativa a partir de março.