“Yokasta M” forçava os adolescentes a ter relações em troca de notas – Foto: Reprodução/ S1 Notícias

“Yokasta M” forçava os adolescentes a ter relações em troca de notas – Foto: Reprodução/ S1 Notícias

Uma professora colombiana identificada apenas como “Yokasta M”, de 40 anos, que lecionava em Medellin, está sendo acusada de estuprar seus alunos do ensino médio, ao qual forçava adolescentes a ter relações em troca de notas.

Segundo o portal La República, do Peru, ela ameaçava os alunos, principalmente de 16 e 17 anos, afirmando que iria melhorar as notas, se eles tivessem relações com ela, caso se negassem, Yokasta falava que iria reprová-los.

A professora que lecionava em Medellin, pode ser condenada a até 40 anos de prisão - Foto: Reprodução/ S1 Notícias

A professora que lecionava em Medellin, pode ser condenada a até 40 anos de prisão – Foto: Reprodução/ S1 Notícias

A acusada foi descoberta pelo pai de um aluno ao enviar fotos provocantes para seu celular. Agora ela pode ser condenada a até 40 anos de prisão, e seu marido está pedindo o divórcio.

Segundo o Canal 4, os casos aconteceram na cidade de Medellín, na Colômbia, entre os meses de janeiro e abril deste ano 2016. A professora chegava até os estudantes por meio das redes sociais, pedindo seus números de telefone “para ajudá-los com a lição de casa”.

Yokasta usava o WhatsApp para enviar fotos inadequadas e propostas que são enquadradas como crime em vários países aos alunos.

As queixas contra Yokasta foram prestadas e ela foi presa - Foto: Reprodução/ S1 Notícias

As queixas contra Yokasta foram prestadas e ela foi presa – Foto: Reprodução/ S1 Notícias

Ela que era casada convidava os adolescentes a passar um tempo em seu apartamento, e chegando lá, os jovens eram coagidos a manter relação com a mulher sob a ameaça de repetirem de ano, caso negassem.

Queixas foram prestadas e a mulher foi presa. Agora, seu marido entrou com um pedido de divórcio e, detida, ela pode ficar até quatro décadas na prisão.

Confiram as fotos ousadas que a professora “Yokasta M” enviava aos alunos: