Pernambuco passou a adotar medidas restritivas mais intensas para conter a disseminação do coronavírus a partir da segunda quinzena de março e o monitoramento da eficiência das ações tem contado com o apoio de soluções tecnológicas do próprio estado. A In Loco, empresa pernambucana de geolocalização, está usando uma base com mais de um milhão de pessoas abrangendo todo o estado, sendo 700 mil só no Recife, para mapear os locais que estão respeitando as medidas de isolamento social. No ranking entre os estados com maior índice de isolamento, Pernambuco ocupava o segundo lugar na última segunda-feira, com 50,6%, atrás apenas do Distrito Federal, que registrou 55,9%.

Nos finais de semana, o isolamento tende a crescer naturalmente, principalmente em um feriadão, como foi o da Sexta-Feira Santa. No último domingo, o isolamento alcançou 60% da população em Pernambuco, tendência seguida pelos demais estados. Tanto que, apesar de aumentar o percentual, o estado caiu para sexta colocação do ranking, atrás do Distrito Federal, Goiás, Amapá, Espírito Santo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará, todos entre 61% e 63%. Segundo André Ferraz, CEO da In Loco, os resultados são enviados diariamente, e Pernambuco está sempre em posição de destaque no país. “O estado está conseguindo se manter melhor do que outros estados do Brasil, entre o top cinco ou top 10, e isso significa que as medidas têm funcionado bem”, ressalta.

Entre as medidas adotadas em Pernambuco estão a suspensão das atividades do comércio não essencial, proibição de reuniões e aglomerações com mais de 10 pessoas, além do fechamento de praias, parques e do calçadão. Com a amostragem de pessoas que a In Loco consegue mapear em Pernambuco, é possível obter dados dos locais que ainda têm uma grande movimentação. “O número de pessoas mapeadas tem aumentado, mas ainda um pouco devagar. De qualquer forma, a base que tínhamos é muito significativa, com mais de um milhão de pessoas no estado. É uma amostra grande o suficiente para conseguir ter uma estatística com alto nível de confiança”, explica André Ferraz.   

Com a análise dos dados, ainda que Pernambuco esteja com um resultado positivo, existem locais que precisam de uma atenção maior, já que o movimento não caiu tanto quanto deveria e o mapeamento ajuda nessas regiões. “A gente percebe que os dados trazem resultados práticos porque, com eles, é possível fazer campanhas de conscientização nessas regiões, como carros de som que são direcionados para os locais com menor índice de isolamento”, pontua.

Índice de isolamento dos estados brasileiros

  • Distrito Federal            55,90%
  • Pernambuco                50,60%
  • Goiás                          50,22%
  • Ceará                         49,97%
  • Rio de Janeiro             48,59%
  • Piauí                           47,95%
  • Amazonas                   47,86%
  • Maranhão                    47,54%
  • Amapá                         47,31%
  • Rio Grande do Norte      47,17%
  • Sergipe                         47,00%
  • Paraíba                         46,81%
  • São Paulo                     46,80%
  • Bahia                            46,30%
  • Rio Grande do Sul          45,37%
  • Pará                             44,78%
  • Espírito Santo                44,49%
  • Alagoas                         44,25%
  • Minas Gerais                  43,35%
  • Paraná                          42,64%
  • Santa Catarina               41,93%
  • Acre                              39,72%
  • Roraima                        38,06%
  • Rondônia                       37,89%
  • Mato Grosso                   37,80%
  • Mato Grosso do Sul         36,69%
  • Tocantins                       35,54%