Um casal de Colatina, no Espírito Santo, viveu o êxtase de alegria e tensão ao descobrir uma gravidez de sêxtuplos durante a primeira ultrassom de uma gestação que pensavam ser de apenas um bebê. Quezia Romualdo, de 29 anos, e Magdiel Costa, de 31 anos, já são pais de uma menina de quatro anos e contam que “foi um grande susto” ouvir a médica que conduzia o exame não parar de contar os bebês.

Primeiro, a própria Quezia identificou dois bebês na tela da ultrassom, depois a profissional percebeu mais um bebê, em seguida outro, até chegar a cinco e, enfim, a médica encerrou “a conta” no sexto feto dentro do útero de Quezia. O casal conseguiu a gravidez rara de forma natural.

“Foi um grande susto. Quando a médica começou a fazer o exame, eu vi dois bebês. Mas aí a médica começou a falar: ‘peraí que eu tô vendo mais um aqui, e tem outro, e mais um’. Eu comecei a ficar nervosa, tremendo. Só conseguia pensar: ‘tá de brincadeira né?’”, contou Quezia ao g1. A mulher diz que queria ir embora do local “correndo” quando percebeu que esperava seis crianças.

“Eu queria ir embora dali. Passou muita coisa na minha cabeça. Foi um turbilhão de emoções, um baque muito grande. Eu fui lá pra ver só um bebê e descobri 6. A minha vida mudou radicalmente depois disso”, desabafou ao g1.

Já o marido da gestante, Madgiel, chegou a passar mal após a médica confirmar a gravidez de sêxtuplos. “Quando começou o exame, eu já tinha visto uns três ali. Mas aí a médica falou: ‘calma que tem mais’. Aí ela começou a contar: 1, 2, 3, 4, 5, 6. Na hora que ela falou seis eu até passei um pouco mal”, lembrou o homem ao g1.

Ele chegou a sair da sala do exame e dar uma volta antes de voltar ao local e perguntar se a profissional tinha certeza da informação. “Depois a médica colocou pra gente ouvir todos os 6 coraçõezinhos , um por um”, diz. Os sêxtuplos estão no segundo mês de gestação e a previsão do parto, caso curse de maneira regular, é outubro. “Geralmente, sêxtuplos são prematuros”, lembra Quezia.

Após o susto, o casal contou a novidade para amigos e para a família, que apoiaram os pais e os tranquilizaram. Quezia e Magdiel sabem o desafio que terão pela frente, mas afirmam que o carinho que têm recebido dos familiares os tranquilizaram.

Casal queria dar um “irmãozinho” para a filha mais velha

Quezia e Magdiel passaram a tentar uma segunda gestação após a filha primogênita, Heloísa, desejar um “irmãozinho”. De forma natural, os dois passaram a tentar engravidar há oito meses. No fim de abril, o esperado positivo nos testes de gravidez apareceu.

Após a confirmação dos sêxtuplos, os pais de Heloísa contaram para a menina sobre os irmãos. “Ela não estava entendendo muito bem de início, mas depois a gente conversou e disse que ela vai ter seis irmãozinhos, fiz com a mãozinha. Agora ela já está entendendo e está toda feliz”, revela Quezia.

Agora, a família se prepara para a mudança que as seis crianças vão causar. Os três moram em uma casa de dois quartos e planejam uma construção de um cômodo grande para os sêxtuplos. Eles também pensam em trocar o carro para uma minivan que comporte nove pessoas.

Related Posts