Consumidores devem preparar bem o orçamento para as despesas com aumentos de, pelo menos, 10%, acompanhando a inflação de 2021

Os consumidores devem preparar o bolso para os reajustes em cadeia que devem ocorrer já no início de 2022, acompanhando a inflação acima de dois dígitos registrada no ano passado. Mensalidades escolares, passagem de ônibus, conta de luz, Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Imposto de Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) são alguns exemplos de despesas que virão com aumentos em torno de 10% neste ano.

A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou alta de 10,74% no acumulado em 12 meses até novembro. E, pela mediana das estimativas do mercado computadas no boletim Focus, do Banco Central, o indicador deve encerrar o ano com elevação de 10,02%.

Os contratos de aluguéis, reajustados pelo Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), terão alta ainda maior, de 17,78%. Ao longo da pandemia, proprietários e inquilinos buscaram indexadores mais baixos, como o IPCA, para evitarem aumento acima da capacidade de pagamento. Agora, porém, será preciso muita disposição de ambos para, novamente, renegociarem os contratos, avaliam os especialistas.

No Distrito Federal, o IPVA e o IPTU serão reajustados em 10,42% e o desconto para pagar esses tributos em cota única será maior, de 10%, em vez de 5%. Segundo analistas, isso é um bom negócio para quem tiver alguma reserva disponível.

Nas escolas particulares, houve aumento médio de 10% no preço das mensalidades, mas os materiais escolares devem subir muito mais. 

About The Author

Related Posts