Policia avança nas investigações sobre o assassinato da comerciante Glaucia Ricarte

Peritos conseguem destravar celular deixado por criminosos e investigação avança no caso da comerciante assassinada em Tabira.

A Polícia Civil segue em investigação e de acordo com informações colhidas pela equipe de reportagem da Cidade FM de Tabira, os agentes conseguiram desbloquear o aparelho celular deixado para trás pelos criminosos na última segunda-feira, dia do crime que vitimou a comerciante, Glaucia Ricarte Nunes de Melo, 42 anos, morta na Zona Rural de Tabira.

Duas testemunhas do assassinato concederam entrevista ao Programa Cidade Alerta na manhã desta quinta-feira (18 de junho de 2020). O esposo da vítima Gilberto Gouveia e a filha Brenda Gomes, mesmo ainda abalados emocionalmente, descreveram o que viram no dia do crime.

A primeira possibilidade ventilada é de assalto, mas nenhuma outra é descartada pela polícia já que segundo informações as vítimas ofereceram objetos e nada foi levado pelos dois meliantes.

De acordo com os relatos, os criminosos abordaram Glaucia e a Brenda quando elas tentavam abrir a porteira da chácara da família, no Sitio Oitis, na PE que liga Tabira à Solidão. Com a arma na cabeça da vítima eles exigiam a presença de Gilberto. Com o não aparecimento do esposo, Glaucia foi baleada na cabeça.

O corpo da vítima ainda deu entrada no Hospital Regional Emília Câmara, em Afogados da Ingazeira, mas já chegou sem vida.

Glaucia era esposa de Gilberto, juntos eram proprietários de lojas de móveis, tanto no centro de Tabira, na Praça Gonçalo Gomes, como no Bairro João Cordeiro.

Ninguém foi preso até o momento.

Fonte: Cidade FM de Tabira