A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) pediram aos governos que priorizem os professores no acesso às vacinas contra a Covid-19. Eles consideram que os profissionais devem ser tratados como trabalhadores da “linha de frente”, informou a agência France Presse.

Na segunda-feira (14), a chefe da Unesco, Audrey Azoulay, em mensagem conjunta em vídeo com o diretor da organização de docentes da Internacional da Educação (IE), David Edwards, afirmou que devido aos avanços da doença, professores devem ser priorizados na vacinação. “Ao ver os avanços positivos em relação à vacinação, acreditamos que os docentes e o pessoal de apoio à educação devem ser considerados grupo prioritário”, disse.

Audrey e Davir destacaram que, quando as escolas e outros centros educacionais foram fechados para evitar a propagação do vírus, os docentes e o pessoal de apoio permaneceram em atuação.

À medida que as aulas migraram para o ensino on-line, “reinventaram a forma como ensinamos e aprendemos”, disseram. E nos locais em que as escolas reabriram, os professores retornaram “corajosamente” às salas de aula.

O pedido da entidade ocorreu no mesmo dia em que os Estados Unidos, país que registra mais mortes na pandemia, anunciou uma vasta campanha de vacinação.