Um mês após o início dos testes da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, começam, hoje, os estudos para comprovar a eficácia da imunização desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac. Os testes têm início em São Paulo, onde 890 médicos e paramédicos que não foram infectados pelo vírus receberão a potencial imunização na terceira etapa de testagem para verificar a eficácia das doses.

Uma comissão de pesquisadores internacionais avaliará os voluntários em consultas agendadas a cada duas semanas. A estimativa é de concluir todo o estudo da fase três em até 90 dias. A vacina será distribuída no âmbito do estudo para Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

“Sabemos que a produção de uma vacina eficaz e segura será a principal medida de saúde pública no combate à pandemia, sobretudo, ao considerar a alta taxa de contágio do vírus SARS-CoV-2 e a falta de medicamentos comprovadamente eficazes e disponíveis à população”, observa Dayde Mendonça, professora da Faculdade de Ciências da Saúde (FS) e gerente de Ensino e Pesquisa do Hospital Universitário de Brasília (HUB). Ela integra a equipe que conduzirá os testes no hospital brasiliense.

Fim do ano

O Instituto Butantan fechou a parceria com a produtora chinesa da vacina. Se a eficácia for comprovada, o Butantan receberá da Sinovac, até o fim do ano, 60 milhões de doses para distribuição.

Já a vacina britânica tem previsão de chegar ao Brasil por meio do consórcio Gavi. Ontem, os primeiros resultados positivos em humanos foram publicados na revista científica Lancet. A análise diz respeito às fases 1 e 2 do desenvolvimento da vacina. A terceira está sendo feita no Brasil desde o fim de junho em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Para o estudo foram fornecidas 5 mil doses aplicadas em voluntários de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

About The Author

Aldenice Santos

Related Posts