A modelo Duda Reis preocupou os fãs ao compartilhar uma série de vídeos chorando falando sobre o relacionamento que teve com o cantor Nego do Borel. Após suposta traição do cantor, a modelo compartilhou ainda uma série de prints que recebeu de outras mulheres contando histórias de envolvimento com o cantor.

“Eu estou recebendo tanta coisa que eu tinha certeza na época que eu falava que se eu descobrisse eu ia conversar com o indivíduo e ele falava ‘Você está maluca, isso não aconteceu’ e eu estou recebendo tanta coisa que era real. Tanta mulher, print dessas pessoas que se envolviam com ele. Mulheres falando até do meu corpo, falando que eu sou anoréxica, falando muita coisa pesada. Está mexendo muito comigo, estou muito magoada. Como que alguém pode fazer com uma pessoa?”, contou a modelo chorando.

Duda ainda falou sobre ter medo da relação que tinha: “Passei muita coisa que vou poder testemunhar e usar de incentivo para vocês. Verbais, chantagens emocionais, sentia medo mesmo, medo pela minha vida e decidi botar a boca no trombone. Não dá pra ficar passando pano pra macho assim, porque a próxima namorada será a próxima vítima e ponto final. Eles não mudam e nunca vão mudar, só mudam a presa”.

Ainda nos stories do Instagram, a modelo falou sobre o estresse do cantor: “E eu que achava ‘normal’ quando a pessoa quebrava a casa pra não me quebrar? Tenso… e os históricos com as exs são os mesmos. Nada mudou…” Ela afirmou que irá tomar medidas protetivas contra Nego do Borel.

“Eu preciso, eu temo pela minha vida, eu temo pela minha segurança, sim. Eu sei como a pessoa é. Eu não sou louca, eu não sou mentirosa. Eu sei o que eu vivi, eu sei o medo que dá”. Eu não sei o que a pessoa é capaz de fazer”, afirmou a modelo. Por fim, Duda falou sobre ter ficado “cega” enquanto estava no relacionamento e que se arrependia por ter ficado contra pessoas que tentaram alertá-la sobre o que estava acontecendo.

“Tudo o que eu estou recebendo está sendo horrível e fiquei me sujeitando a tanta coisa com outras pessoas que eu amo, com outras pessoas que me amavam. Mas eu tava cega. Eu acreditava piamente nas mentiras da pessoa. Eu acreditava. Eu era refém, eu tinha medo de falar, eu me sentia ameaçada e agora vem esse tanto de gente me mandando mensagem de situações que aconteceram quando eu estava ali, quando eu ficava em casa. Que sensação horrível!”