Caso Yeimy Rodriguez: Sogra é presa por pagar R$ 300 para matar nora

A suspeita de mandar matar a venezuelana Yeimy Rodriguez de 27 anos no Amazonas, foi presa nessa segunda-feira (18). O crime foi encomendado a Andreas Muñoz por R$300 pela mulher que era sogra de Yeimy e não aceitava o namoro da estrangeira com o filho dela de 17 anos. A vítima foi morta a facadas no dia 05 de julho, na Zona Leste da cidade.

De acordo com o G1, a suspeita de pagar pelo crime também é venezuelana e vizinha da vítima. Por conta das divergências sobre o relacionamento com o filho, sogra e nora discutiam muito. Testemunhas contaram à delegada Deborah Barreiros, responsável pela investigação do caso, que a suspeita de ser mandante do assassinato já havia ameaçado a vítima com uma faca em via pública. “O fato é que essa senhora não aceitava [relacionamento], achava que o rapaz era bastante jovem. Então, elas viviam brigando, não podiam se encontrar que sempre discutiam”, disse a delegada responsável pelo caso.

Andreas Muñoz foi identificado pelas câmeras de segurança da rua e preso em Boa Vista local para onde fugiu após o crime. Aos policiais, ele confessou ter recebido dinheiro para matar a venezuelana e entregou a sogra como mandante do assassinato. Ele foi encaminhado para capital amazonense onde já havia um mandato de prisão preventiva.

Ao ser presa, a mulher negou a informação de não aprovar o relacionamento do filho. Disse ainda que as duas viviam em harmonia e que a vítima já teria morado em sua casa por um período.

Yeimy foi encontrada morta por crianças do bairro, por volta das 13h, que foram à casa dela pedir laranja. O imóvel estava revirado, e os golpes de faca do corpo da vítima demonstram que ela tentou se defender. Segundo os vizinhos, a vítima estava juntando dinheiro para trazer a filha da Venezuela para o Brasil.