O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou o fechamento da fronteira de seu país com o norte do Brasil, em meio à escalada da tensão na região pela iniciativa dos países que não o reconhecem mais como presidente, entre eles os EUA e próprio Brasil, de tentar entregar medicamentos e alimentos aos venezuelanos. A operação de ajuda humanitária na divisa tanto brasileira como colombiana está prevista para começar no sábado, 23 de fevereiro. Apesar da decisão do regime venezuelano, o Governo Bolsonaro anunciou que os planos da gestão seguem os mesmos: comida e remédios seguirão estocados em Boa Vista e em Pacaraima, em Roraima, à espera de que venezuelanos ligados a Juan Guaidó, presidente interino e reconhecido por mais de uma centena de países, possam levá-los aos compatriotas.

Governo mantém plano de ajuda para Venezuela apesar da fronteira fechada

“A região de Pacaraima se encontra em total estado de normalidade. A questão de segurança na faixa de fronteira é a normal. Nós não mudamos absolutamente nenhum dos padrões de comportamento com as nossas tropas”, disse o porta-voz do Planalto, general Otávio Santana do Rêgo Barros. Segundo Rêgo Barros, Bolsonaro está atento à situação e em contato com o Ministério das Relações Exteriores. Ele confirmou que tanto o chanceler Ernesto Araújo como o vice-presidente Hamilton Mourão viajarão na próxima segunda-feira a Bogotá para a reunião de emergência do Grupo de Lima para discutir a situação na Venezuela. A presença de Mourão no encontro do grupo que tenta articular uma solução regional para a crise mostra o aumento de estatura do general da reserva nas relações exteriores do Governo Bolsonaro. Questionado, Rêgo Barros refutou a interpretação de que sua presença na Colômbia “enfraqueceria” Araújo.

A tentativa de enviar ajuda humanitária aumenta a disputa entre Guaidó e Maduro, que já havia elevado o alerta militar nas fronteiras antes de decretar o fechamento completo do limite de 2.200 quilômetros que separam a Venezuela e o norte brasileiro, que já começou a vigorar no fim da tarde desta quinta. O mandatário “avalia”, além disso, tomar uma medida semelhante em relação à Colômbia. “A partir de hoje fechamos a fronteira com o Brasil, [e tomamos] todas as medidas de segurança e até segunda ordem”, afirmou. “Quero que seja uma fronteira dinâmica e aberta, mas sem provocações, sem agressão, porque sou obrigado como chefe de Estado, chefe de Governo e comandante em chefe da FANB (Forças Armadas) a garantir paz e tranquilidade”, afirmou.

A situação de Roraima

A medida foi anunciada um dia depois que a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodriguez, anunciou o fechamento da fronteira aérea e marítima com as Antilhas Holandesas e afirmou que Caracas colocou “sob revisão” as relações com esses países. Colômbia, Brasil e Curaçao acumularam toneladas de ajuda humanitária enviadas para a Venezuela, que está passando por uma profunda crise econômica com escassez de alimentos e remédios que levou pelo menos três milhões de venezuelanos a emigrarem, segundo dados da ONU. Maduro se opõe à entrada da ajuda humanitária, que ele descreveu como “uma armadilha”, com o argumento de que é uma estratégia dos Estados Unidos e aliados para violar a soberania da Venezuela.

O principal ponto de entrada da ajuda, no plano da oposição, é pela Colômbia. Guaidó viajou nesta quinta-feira em direção à fronteira de seu país com a divisa colombiana para comandar a operação de ajuda, marcada para o sábado. O presidente interino se juntará a uma caravana de ônibus com centenas de pessoas e até um show na cidade de Cúcuta, a principal da fronteira, está marcado em apoio à resistência a Maduro. 

Na fronteira com o Brasil, mais precisamente no Estado de Roraima, também haverá movimentação. O Governo brasileiro confirmou que vai disponibilizar medicamentos e alimentos com recursos próprios para a população da Venezuela, que também aumentou a migração para o Brasil. Entre 2017 e 2018, o Brasil recebeu 111.000 venezuelanos. De acordo com o Governo federal, entram por hora no país 33 venezuelanos, em média. Aproximadamente, 800 por dia.