Os moradores do povoado Moreira, na zona rural de Palmeira dos Índios (a 130 km de Maceió), no sertão alagoano, já fazem fila para receber água de um poço artesiano que abastece as cem famílias da comunidade há seis meses. Mesmo com a água subterrânea salobra, um sistema dessalinizador instalado no local a purifica e garante água potável a toda comunidade

Anunciados como uma das ações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) em parceria com Israel para o Nordeste, os dessalinizadores não são novidade no sertão.

"Precisamos melhorar, óbvio. Mas o que precisamos é de mais investimento do governo” – Foto/Beto Macário/UOL

“Precisamos melhorar, óbvio. Mas o que precisamos é de mais investimento do governo” – Foto/Beto Macário/UOL

Professor de engenharia química da UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), Kepler Borges França é coordenador do Laboratório de Referência em Dessalinização que pesquisa o tema há mais de 25 anos. Segundo ele, ao longo de 30 anos foram instalados de 3.500 a 4.000 dessalinizadores. “Mas nem todos estão mais funcionando, não sabemos um número exato”, diz

“Temos a dessalinização por processos térmicos, por energia solar, através de destilação, por compressão de vapor, de membrana que é a mais utilizada mundialmente, que vêm sendo utilizadas em comunidades. E também temos novos caminhos, como a membrana cerâmica, que nós da UFCG desenvolvemos”, diz.

“Precisamos melhorar, óbvio. Mas o que precisamos é de mais investimento do governo federal e de órgãos de fomento para incentivar cientistas a desenvolver tecnologias e deixar de comprar membranas dos gringos, porque isso deixa mais caro o sistema”, afirma

About The Author

Dena Santos

Related Posts