Se você ouve falar em toxoplasmose e logo associa a doença ao gato, não se culpe! Essa fama tem uma explicação lógica: ela é causada por um protozoário que usa somente os felinos como hospedeiros definitivos. Mas isso não quer dizer que você deva se afastar dos bichinhos! Nem mesmo se estiver grávida muita gestante teme o contágio com razão, mas não sabe que o simples contato com o gato não tem nenhum problema. Os animais só transmitem a doença por meio das fezes e apenas em fase de reprodução do protozoário.

Para entender melhor e desmistificar alguns pontos importantes confira abaixo mitos e verdades.

Esclareça suas dúvidas:

10 mitos e verdades sobre toxoplasmose

1. A toxoplasmose só é transmitida por gatos

MITO: Há outras formas de contágio da doença, como alimentação e contato com solo contaminado, mas os gatos são os principais vetores, pois o protozoário (Toxoplasma gondii) os usa como hospedeiros definitivos.

“É no felino que acontece a reprodução do protozoário, que sai pelas fezes dos animais”, explica o infectologista. Por isso, o maior cuidado deve ser com o manuseio da caixinha de areia dos gatos em casa. O perigo mesmo só se dá se as fezes ficarem expostas por mais de três dias e se você manuseá-las e depois levar a mão à boca.

E tenha a certeza de que um carinho ou qualquer contato físico com o animal não é perigoso!

 2. Alimentos crus podem transmitir a doença

VERDADE: É bem frequente o contágio da toxoplasmose por meio de nossa alimentação. “Carnes, verduras, frutas e legumes plantados em solo contaminado são uma forma comum de transmissão do protozoário”, alerta a dra. Carla.

Assim, é preciso cozinhar bem os alimentos e lavar muito bem o que for ingerir in natura. E é por isso que os médicos não recomendam que as grávidas comam esse tipo de alimento fora de casa.

 3. Gestante pode passar a toxoplasmose para o bebê

VERDADE: Sim, e as chances e os problemas são bem grandes. “A toxoplasmose congênita pode afetar o sistema nervoso central e os olhos do bebê, causando sequelas irreversíveis na visão e uma série de complicações que variam desde anemia, febre, icterícia, até hidrocefalia e convulsões”, aponta o infectologista.

 4. O risco para o bebê é maior no primeiro trimestre da gestação

VERDADE: “Durante os três primeiros meses, os riscos de lesões no feto são maiores”, diz o dr. Mantelli.

5. Grávidas precisam se afastar de seus gatos

MITO: Se seu gatinho estiver com os exames em dia, nada muda! “Não se afaste do seu animal. É preciso apenas ter cuidados com a higiene e pedir para alguém limpar a caixinha com as fezes do animal. Se ninguém puder fazer isso por você, use luvas de borracha”, orienta o obstetra.

 6. Gato de apartamento, que não costuma sair, não tem o protozoário

MITO: Os gatos também podem contrair o protozoário por meio da alimentação. Somente os gatos que que se alimentam exclusivamente de ração industrializada, que não costumam sair e que não têm contato com outros animais ficam com chances mínimas de ter o protozoário. Mas claro que todos estão suscetíveis.

 7. Mordidas e lambidas de gato contaminado podem transmitir toxoplasmose

MITO: “Embora existam outras doenças que possam ser transmitidas desta forma, a toxoplasmose não é uma delas”, garante o infectologista.

 8. Mulher que já teve toxoplasmose pode ficar infértil

MITO: “A toxoplasmose não tem relação com a fertilidade”, avisa a dra. Carla.

E o dr. Etchebehere complementa: “Mulheres que já tiveram a doença no passado e desenvolveram anticorpos, geralmente, não têm risco de adquirir toxoplasmose novamente”. Mesmo assim, por precaução, a dra. Carla recomenda que se faça um acompanhamento com sorologias e teste de avidez antes de engravidar e durante a gestação.

 9. Os sintomas são os mesmos da gripe

VERDADE: “Muitas vezes, quem pega acha que está passando por um resfriado ou uma virose, com febre, calafrios, dores musculares e ínguas pelo corpo”, afirma o infectologista.

 10. Preciso fazer exames no meu gato para ficar segura

VERDADE: Assim como os humanos, os gatos não costumam apresentar sinais claros da infecção, então é preciso pedir ao veterinário exames específicos.